Tipos de baquetas

As baquetas, bastões que geralmente possuem uma das extremidades arredondada, são imprescindíveis para se tirar um belo som de uma bateria. Tal como um martelo é fundamental ao carpinteiro, a baqueta é fundamental ao baterista.

Há vários modelos e cada uma possui um tipo de função e uma sonoridade diferente. Os tipos mais usados são: tradicional, acústica, mallets e vassourinha.

Como o próprio nome já diz, as baquetas tradicionais são as mais usadas, e podem variar em comprimento, diâmetro, peso, ponta, etc.

Baqueta tradicional

Já as acústicas são ideais para situações as quais o baterista precisa controlar o volume sem mudar muito sua “pegada”. Com ela é possível criar bons efeitos especiais graças à sua constituição de feixes de varetas de madeira.

baqueta acústica

Para o músico que deseja baquetas de efeitos, com ponteiras de diversos materiais como borracha, madeira, pano, acrílico, nylon e/ou feltro, por exemplo, pode optar pelas mallets, bastante usadas em tímpanos, vibrafone, carrilhão, marimba, entre outros. Lembrando que na bateria acústica a mallet é usada apenas para efeitos.

Baqueta Mullet

E se o objetivo é criar arranjos e texturas sonoras suaves, a vassourinha irá atender com muita precisão, principalmente para bateristas que queiram utilizar a técnica de arrastar as cerdas sobre a pele da bateria. Algumas vassourinhas são cobertas de borracha para dar mais firmeza, enquanto seus suportes são feitos de alumínio, madeira ou até mesmo plástico.  Costumam ser muito usadas no jazz e na bossa nova, estilos musicais que exigem uma sonoridade mais leve e suave.

Baqueta vassourinha

Cada modelo descrito acima possui um tipo de sonoridade, rebote e função diferente, o que possibilita uma variedade satisfatória de opções para os bateristas.

 Escolha correta da baqueta:

É fundamental que o músico escolha com cuidado e atenção qual modelo é o mais adequado para o que se deseja executar na bateria. Ele precisa se sentir confortável e deve avaliar seu estilo musical, seu gosto particular e o tipo de som que ele deseja alcançar.

tipos de baquetas

O material mais adequado de cada baqueta:

Além de avaliar se ele deseja uma baqueta tradicional, mallet, vassourinha ou acústica, o baterista deve verificar qual material lhe agrada mais, já que é possível encontrar baquetas de várias composições como madeira, fibras e plásticos.

As mais usadas são as feitas de madeira por serem mais versáteis e oferecem diversos tipos de sonoridade. Se o objetivo é dar rebote nos tambores e brilho nos pratos, o ideal é optar por baquetas que sejam de madeira, mas que tenham a ponta em nylon. Os tipos de madeira mais comuns na construção de baquetas são: bambu, mapple, hickory, marfim, oak e jatobá.

É importante salientar que cada tipo de madeira possui suas especificidades que podem auxiliar o músico a decidir quais aspectos a baqueta terá (resistência, leveza, flexibilidade, peso, etc.).

baqueta

O modelo 7A, por exemplo, é ideal para músicos que executam estilos que necessitam de pouco volume como jazz e bossa nova, por ser mais fina e leve, enquanto a 5A (intermediária) é mais usada no estilo pop rock. E para os fãs de rock (e suas variações) e que têm “mãos muito pesadas” o ideal é optar entre a 5B e a 2B.

Anatomia das Baquetas

A baqueta é formada por corpo, cabo, ombro, pescoço e cabeça.

O corpo irá determinar a proposta da baqueta e para quais tipos de situações ela é mais adequada. Ele pode variar em diâmetro, comprimento, e peso.

O cabo é a parte na qual a maioria dos bateristas seguram a baqueta. Aqueles que desejam um som mais volumoso, grave e pesado, costumam invertê-las e tocar com essa parte.

O ombro é a região na qual a baqueta começa a afunilar. Seu posicionamento vai determinar a pressão que ela exercerá sobre a bateria, bem como seu ponto de equilíbrio.

O pescoço é uma área de extrema importância da baqueta, pois quanto mais curto ele for, menor será sua flexibilidade e menos rebote terá a baqueta. Essa característica é interessante quando o objetivo é tocar com mais força e mais volume. Já o pescoço comprido proporciona uma maior flexibilidade à baqueta, o que resultará em uma maior velocidade nos movimentos.

anatomia de uma baqueta

E por último temos a cabeça (ponta) que é a principal área de contato entre a baqueta e a bateria. Sua ponta deve ser densa, resistente e precisa em relação ao corte de seu perfil, pois essas qualidades proporcionarão uma boa qualidade sonora da baqueta.

Tamanhos de baquetas

Os tamanhos das baquetas tradicionais são definidos por nomenclaturas que determinam seu peso e sua espessura. São eles: 2A, 5B, 5A, 7A e 9A.

Os números se referem ao peso e à espessura das baquetas, onde os menores correspondem às baquetas mais grossas e pesadas; isso significa que uma baqueta 2A, por exemplo, será mais pesada e grossa que uma 7A.

Para os jovens e adultos iniciantes, o ideal é optar por baquetas do tipo 5A, pois elas não são nem muito leves e nem muito pesadas e são adaptáveis a vários estilos musicais. Já para crianças e para bateristas que necessitam de uma maior leveza nas músicas, o ideal é a 7A.

Teste da baqueta

Antes de comprar um conjunto de baquetas, verifique se elas não estão com o som fechado e empenado. A dica é bater uma na outra e rolá-las em uma superfície plana e observar atentamente se elas estão empenadas.

Tenha sempre mais de um conjunto de baquetas:

Tal como uma corda de guitarra pode arrebentar no meio de uma apresentação, baquetas podem quebrar (principalmente quando o baterista está com muita energia e empolgação) e por isso é importante que ele carregue sempre consigo, um jogo reserva de baquetas, pois assim evitará apertos durante seu show.

baqueta 1

Esperamos que essas dicas lhe tenham sido úteis! Não deixe de seguir nossas redes sociais e conferir todo o conteúdo que estamos preparando especialmente para você!

Até a próxima!

Ramon Braga

Comentários: